Esporte News

Bahia faz novo acordo para ficar com o Fazendão e a Cidade Tricolor

Como anda a negociação do Fazendão e a Cidade Tricolor? A pergunta aparece em todas as entrevistas de dirigentes do Bahia, mas na última coletiva o presidente Marcelo Sant’Ana colocou um algo a mais: “Quem sabe não teremos um presente de natal? Ou dois, né?”, brincou.



É fato. O Bahia já chegou a um acordo com a OAS, construtora da Cidade Tricolor, com a operadora financeira Planner e três bancos – não revelados – que fizeram parte do negócio. Resta apenas assinar, o que pode acontecer ainda em 2016.

Trata-se de um ajuste do acordo assinado entre o clube e as demais partes em 2014, na gestão de Fernando Schmidt, e que não pôde ser cumprido por dificuldades financeiras do Bahia e da construtora. Só os valores mudaram.

Como no acordo anterior, o Bahia voltará a ter o Fazendão – sob posse da OAS como permuta para a construção do novo centro de treinamentos – e comprará a Cidade Tricolor. O pagamento seguirá sendo feito parte em dinheiro e parte em Transcons – moeda do setor imobiliário conseguido junto à Prefeitura de Salvador por conta da desapropriação da sede de praia do clube, em 2013.

A diferença é que, segundo apurado por o jornal A Tarde, o Bahia agora pagará pouco mais de R$ 7 milhões, de uma só vez, no ato da homologação na Justiça. No acordo anterior, seriam R$ 10 milhões pagos de maneira parcelada em dez anos, valor que seria acrescido por correção e juros, além de impostos e taxas judiciais.

De acordo com o orçamento para 2017 apresentado ontem para o Conselho Deliberativo, o valor a ser pago em dinheiro no negócio será de R$ 11,3 milhões. Os R$ 4,3 milhões a mais seriam referentes a impostos e taxas judiciais.

Ainda de acordo com o orçamento, o valor em Transcons será de 21,7 milhões. Como a moeda imobiliária tem depreciação de aproximadamente 50%, o valor equivalente em reais seria de R$ 10,8 milhões. No acordo anterior, o Bahia desembolsaria o equivalente a R$ 13,6 milhões na moeda. Pela desapropriação, o clube ganhou da Prefeitura R$ 28 milhões em Transcons.

O acordo inicial, fechado em 2012, na gestão de Marcelo Guimarães Filho, previa como pagamento pela Cidade Tricolor a entrega do Fazendão à construtora, mais R$ 12 milhões em dinheiro, o que nunca chegou a ser cumprido.

“Pequenas arestas”

Ninguém da diretoria tricolor fala sobre os valores do novo acordo: “Só fica certo quando estiver no papel”, comenta o gerente jurídico Vitor Ferraz. “Mas já temos uma base de acordo, que envolveu muitos detalhes. Não é só a nossa relação com a OAS, tem a relação dela com a Planner e com os três bancos. Tudo isso já foi resolvido, restam apenas pequenas arestas”, completou.

Pedro Henriques, vice-presidente, prefere manter a cautela: “É a expectativa (assinar ainda em 2016), mas não podemos garantir. A Justiça entra em recesso nesta semana, então pode até ser que extrajudicialmente a gente entre em acordo, mas só seria homologado pela Justiça após o recesso”.

A Tarde