Esporte News

Bahia é melhor, mas não ganhou nada

Tudo bem. O Bahia é líder do Campeonato Baiano com 45 pontos, já está classificado em primeiro lugar três rodadas antes do fim da primeira fase, tem o melhor ataque da competição com 51 gols marcados e tem o vice-artilheiro do Brasil, Souza, com 18 gols.

São todos os pontos positivos de um time que colocou o Campeonato Estadual como objetivo principal do 1° semestre de 2012, e, dentro de campo, vem atingindo suas metas.

Mas tudo isso não foi suficiente para também empolgar o técnico do Bahia Paulo Roberto Falcão, que ainda não se sente campeão baiano. O difícil triunfo de 3x2 sobre o Serrano, domingo passado, fez com que o treinador jogasse um balde de água no chope dos eufóricos torcedores tricolores, que no final da partida deixaram as arquibancadas do Estádio do Parque de Pituaçu, cantando, em coro, a conquista do Campeonato Baiano de 2012.

Logo após o jogo, ainda no vestiário de Pituaçu, na coletiva com a imprensa, Falcão procurou esclarecer que vai manter o time com os pés no chão, para que o título venha com naturalidade.

“Sabemos que estamos fazendo uma campanha muito boa e com a vitória sobre o Serrano consolidamos o primeiro lugar. Porém, eu afirmo que não ganhamos nada. No futebol, nem sempre o melhor é o campeão. Temos que continuar o trabalho, mantendo nosso objetivo de uma forma firme e segura, para que sejamos campeões com naturalidade”, explicou o treinador.

As declarações do técnico não chegam a intimidar o torcedor do Bahia, que, confiante, saiu do Estádio de Pituaçu cantando que era o 1° colocado do Campeonato Estadual faltando ainda três rodadas para o final da fase de classificação. O que talvez o técnico tricolor não entenda é que o jejum de 11 anos sem ver seu time do coração ser campeão baiano é tempo demais para a fanática fiel torcida do Bahia.

Desde 2001 que o time não festeja o título estadual, um fato inédito na história dos 81 anos de fundação do clube, que nunca na história passou tanto tempo sem uma conquista. O maior intervalo sem ganhar títulos baianos que o Bahia sofreu antes do atual recesso foi na década de 60, de 1963 a 1966. Talvez isso explique um pouco, do que o torcedor do Bahia sente com seu time líder do estadual. Para eles, esse é o momento de acabar com esse longo recesso que o time tricolor enfrenta.

Uma tarde positiva e de boas notícias no Fazendão

A tarde de segunda-feira, na reapresentação dos jogadores do Bahia no CT do Fazendão, foi de boas notícias que chegaram à Comissão Técnica através do Departamento Médico tricolor.

O volante Hélder desceu para o campo para um treino físico, correndo em volta do gramado, mostrando que se recuperou de uma entorse no joelho e está em evolução. Durante esta semana, ele dará ênfase ao condicionamento físico para ficar à disposição do técnico Falcão.

Depois foi a vez do meia Morais, que também desceu para o campo, treinou normalmente com o grupo e deve ser opção para o jogo desta quarta-feira, em Juazeiro. O zagueiro Titi desceu para o campo e fez um treino físico leve, mas ainda é dúvida para o jogo contra a Juazeirense. O atleta vem de um cansaço muscular e um incômodo na coxa que acusou na partida contra o Feirense na cidade de Senhor do Bonfim.

O atacante Júnior fez um treino físico específico na academia do Fazendão, executando exercícios nos aparelhos e correndo na esteira, mas ainda não entra nos planos da Comissão Técnica para esta partida de amanhã no interior do Estado. Nesta terça-feira, o elenco fará um treino às 10 horas no Fazendão. No período da tarde, às 16h25, a delegação embarca para Petrolina, em Pernambuco, de onde segue em ônibus especial para o hotel em Juazeiro.

Dois jogadores estão entregues ao Departamento Médico e fora do jogo.

O volante Fabinho, com um incômodo na virilha, fez tratamento médico no clube e só deve retornar para partida do fim de semana contra o Bahia de Feira no Estádio de Pituaçu. O lateral Ávine treinou na academia e ainda não está totalmente recuperado da tendinite no joelho esquerdo. O jogador não tem previsão de retornar aos trabalhos.
Fonte: Tribuna da Bahia