Esporte News

Falcão treinando o Bahia

O substituto de Joel Santana no Bahia será mesmo o ex-comentarista Falcão, que dirigiu a seleção brasileira nos anos 1990 e passou pelo Internacional de abril a julho do ano passado. O técnico chegou a Salvador por volta das 20 horas desta segunda-feira e teve sua primeira entrevista coletiva marcada para as 14 horas desta terça, em um hotel na orla.

A curiosidade é que, apesar de anunciar o evento, inclusive pedindo que a imprensa seja pontual --"porque haverá treino às 16 horas" no CT do clube--, a assessoria do Bahia ainda não oficializou o negócio.

Segundo ela, Falcão chegou "para discutir alguns detalhes da sua possível contratação com o gestor de futebol Paulo Angioni e com o presidente Marcelo Guimarães Filho".

Na tarde desta segunda, em contato com a Folha, Angioni afirmou que faltavam apenas detalhes para o martelo ser batido.

"Está muito adiantado e acredito que tudo seja consolidado esta noite para que ele seja apresentado já amanhã [terça] de manhã", afirmou o gestor de futebol do time baiano.

"O Bahia, depois de muitas dificuldades, está mostrando a sua austeridade como instituição repleta de paixão. Temos sempre buscado nomes de referência e o Falcão é uma figura exponencial do futebol brasileiro. A gente entendeu que é o caminho mais correto para nós e ele gostou muito do projeto", acrescentou Angioni.

Ele completou com a informação de que o nome do ex-volante do Brasil na Copa-82 "já era opção desde o momento que surgiram as primeiras possibilidades da saída do Joel".

PERFIL

Paulo Roberto Falcão, 58, foi demitido do Inter após conquistar o Campeonato Gaúcho, cair nas oitavas de final da Taça ibertadores e perder três partidas seguidas no Campeonato Brasileiro (Vasco, Corinthians e São Paulo).

Durante cerca de 15 anos, ele trabalhou como comentarista da TV Globo. Em 2011, decidiu voltar a trabalhar como técnico e assumiu a equipe gaúcha.

Ao ser apresentado como treinador do clube no dia 11 abril, declarou que tinha duas metas: ganhar título e ficar um período longo e "recorde" no comando do time.

"O tamanho da frustração é maior que o Beira-Rio", lamentou na despedida.

Fonte: Tribuna da Bahia